quarta-feira, 20 de agosto de 2014

NUNCA DESISTA DOS SEUS SONHOS

A capacidade de sonhar sempre foi o grande segredo daqueles que mudaram o mundo. Os sonhos alimentam a alma e dão asas a inteligência. É no solo fértil da memória onde semeamos os sonhos que farão grande diferença em nossa existência. 

Os sonhadores mudaram a história da humanidade. Eles fizeram da derrota, o pódio para a vitória; das críticas, o palco, de onde receberam os aplausos. 

O Mestre dos mestres foi o mais ousado dos sonhadores. Ele fez de homens simples e iletrados, arquitetos da vida. A estes, vendeu o sonho de um reino justo, em um mundo de injustiça, de liberdade em uma terra de escravidão, de vida eterna em um território onde imperava a morte, de felicidade em um país onde reinava o ódio. 

Jesus Cristo tirou aqueles homens da platéia e os introduzir no palco da vida. Fez deles autores de sua própria história. Ao encantá-los com suas palavras e surpreendê-los com suas atitudes, ele tocou o inconsciente dos seus discípulos, reeditou novas janelas em sua memória e abalou os fundamentos da psicologia. 

Abraham Lincoln superou os seus fracassos porque exerceu o direito de sonhar. Enquanto falia nos negócios, e consecutivamente era derrotado na política, soube mais do que ninguém exercer a liderança do ?eu?. Estava convicto de que contra traumas e frustrações que a vida nos impõe, o melhor remédio, é uma alma controlada por um grande sonho. 

Embora o décimo sexto presidente dos EUA tenha tido mais derrotas do que vitórias em sua vida pública, do ponto de vista da psicologia foi o grande vencedor em todas as disputas. Ele venceu o preconceito com criatividade, as suas inseguranças com motivação, os seus medos com ousadia. Mas acima de tudo, foi sempre consciente que o destino é uma questão de escolha, não uma fatalidade, por isso, optou por continuar sonhando. 

A discriminação, o preconceito, o racismo e a indiferença, foram porções que coube a outro sonhador: Martin Luther King. No entanto ele teve a capacidade de criticar a violência exercida contra os negros do seu país. E assim, reeditou sobre os traumas arquivados em sua memória, os sonhos que mudaria as gerações subseqüentes. 

O autor da teoria da Inteligência Multifocal foi sem dúvida um sonhador. E como todos os outros, encontrou muitos desafios pelo cominho. Depois de 19 anos escrevendo sobre o processo como os pensamentos são construídos viu sua tese ser rejeitada por muitos e incompreendidas até mesmo por especialistas ligados às ciências humanas. 

Não obstante a isto, Augusto Cury não se deixou vencer. Resolveu provar suas teses a luz de um personagem histórico. Escreveu uma coleção onde analisa a inteligência de Cristo. Foi incrível, com este ato ele democratizou a ciência, popularizou suas teses e surpreendeu o mundo ao entrar em uma área, até então, completamente dominada pela teologia. 

Se pensar é o destino do ser humano, continuar sonhando é o seu grande desafio. E isto, é lógico, implica em trajetórias com riscos, em vitórias, com muitas lutas, e não poucos obstáculos pelo caminho. Apesar de tudo, seja ousado. Liberte sua criatividade. E NUNCA DESISTA DOS SEUS SONHOS, pois eles transformarão sua vida em uma grande aventura.

Augusto Cury

Opinião: Uma lei revolucionária

"O novo Plano Nacional de Educação é um grande avanço, mas precisa, além de destinar 10% do PIB até 2024, ter leis complementares que mudem também a cultura", afirma Ronaldo Mota


Fonte: Gazeta do Alagoas (AL)

Um novo marco legal em si não representa revolução, quando ocorre, ela deve necessariamente estar associada às mudanças culturais e dos pesos efetivos dos segmentos sociais nas decisões de poder. Assim, dificilmente uma lei isoladamente traz em si um caráter transformador. No entanto, há casos em que uma lei pode mudar substancialmente o futuro da nação. A complexidade dos problemas educacionais e suas soluções vão além de recursos, embora orçamento seja importante. O simples ato de dobrar salários de todos os Professores, ainda que fizesse bem, não seria em si a solução dos problemas educacionais e nem implicaria diretamente na qualidade de Ensino. Remunerar melhor os Professores tem um efeito mais relevante ao despertar vocações e estimular uma nova geração de Docentes do que efetivamente sobre aqueles que já estão em sala de aula.
A revolucionária lei seria algo como: “No Brasil, progressivamente até 2024, os salários dos Professores e os dos parlamentares serão relacionados entre si, tal que: i) na esfera federal, o salário de um deputado federal terá como correspondência o de um Professor titular no topo da carreira das universidades federais; ii) nos estados e nos municípios, os deputados estaduais e os vereadores terão, respectivamente, como referências os salários nos topos de carreiras dos respectivos sistemas públicos de Ensino”. Ou seja, um deputado daqui a dez anos deverá ganhar o mesmo que um Professor titular em tempo integral e com doutorado de suas respectivas universidades e um vereador, o correspondente ao que o município paga no topo da carreira aos seus Professores municipais.
É natural e correto que os parlamentares, que para exercício de seus mandatos tenham que mudar de cidade, lhes sejam assegurados auxílios- moradia. No caso dos Professores, isto é diferente. Uma vez tive de recusar um cargo público fora da universidade porque, além de não ganhar nenhum adicional, teria que arcar com as despesas de morar em outra cidade.
O novo Plano Nacional de Educação é um grande avanço, mas precisa, além de destinar 10% do PIB até 2024, ter leis complementares que mudem também a cultura. É preciso passar mensagens. Aos jovens, a mensagem que a opção pela docência será de fato valorizada neste País. Aos interessados em ingressar na carreira política, a mensagem que esta atividade será respeitada e honrada, como merece a vocação de servir ao povo, e será decentemente remunerada. No futuro, a política poderá ser mais nobre, porém não aconselhável a quem imagine dela enriquecer.

terça-feira, 19 de agosto de 2014

Dívida externa do Brasil cresce 48% e vai a US$ 523,7 bilhões

O valor supera os US$ 379 bilhões das reservas do país

Rosana Hessel
Célia Perrone
Publicação: 16/08/2014 06:02 Atualização:

Correio Braziliense


 (Marcello Casal Jr/Agência Brasil - 22/12/11)

Mesmo com a economia patinando, a dívida externa bruta do Brasil está crescendo e chamando a atenção dos especialistas. Passou de US$ 351,9 bilhões, em 2010, para US$ 523,7 bilhões em junho deste ano, valor que supera os US$ 379 bilhões das reservas do país. O aumento, no período, foi de 48%, levantando o temor de que muitas empresas possam ficar em situação vulnerável no caso de uma elevação acentuada nas cotações do dólar em razão de acontecimentos como a alta dos juros nos Estados Unidos. Em 2008, grupos tidos como sólidos, como Sadia e Aracruz, sofreram pesadas perdas com operações malsucedidas no mercado de câmbio.




Hoje, de acordo com dados do Banco Central (BC), quem mais toma dinheiro lá fora é o setor privado. Os empréstimos intercompanhias, por exemplo, saltaram 107% de 2010 até junho deste ano, passando de US$ 95 bilhões para US$ 197 bilhões. “Os juros para crédito de longo prazo aqui estão muito elevados, em média de 12% ao ano, então, é natural que as empresas busquem recursos no exterior, onde a taxa é de 2%”, explicou Roberto Luis Troster, ex-economista-chefe da Federação Brasileira de Bancos (Febraban).

O diretor de Política Econômica do BC, Carlos Hamilton, afirma, porém, que o risco cambial das empresas brasileiras é pequeno. “Não há exposição relevante à variação cambial de incorporações não financeiras”, disse ele. 


O diretor acrescentou que, em valores ajustados, o nível de endividamento de empresas brasileiras em moeda estrangeira diminuiu nos últimos anos. Ele argumentou que têm sido considerados os volumes captados por filiais no exterior. Esses recursos somam US$ 115 bilhões, sendo que US$ 74 bilhões foram internalizados via empréstimos intercompanhias e contabilizados nas estatísticas do BC. “Os outros US$ 39 bilhões, no entanto, ampliaram o estoque de ativos estrangeiros das empresas”, disse Hamilton, durante palestra, em São Paulo.



A matéria completa está disponível aqui, para assinantes. Para assinar, clique aqui.

domingo, 17 de agosto de 2014

Justiça suspende divulgação de pesquisas em dois jornais na Paraíba

Pesquisas dos Institutos Ipespe e Souza Lopes foram suspensas

A juíza auxiliar da propaganda eleitoral, Niliane Meira Lima, determinou em duas decisões a suspensão na divulgação de duas pesquisas, de dois institutos diferentes, que foram publicas por jornais no Estado da Paraíba. As pesquisas suspensas foram a do Instituto Ipespe divulgada pelo Jornal da Paraíba e a do Instituto Souza Lopes, divulgada pelo Jornal Correio da Paraíba.
Como as pesquisa já foram divulgas, o juíza pede que os jornais publiquem notas na capa informando da decisão. “Determino que a Editora Jornal da Paraíba insira na edição do Jornal da Paraíba da edição de 18/08/2014 (segunda-feira) nota de capa, com mesma fonte padrão das demais notícias, informando ao leitor a suspensão da veiculação da pesquisa eleitoral 0016/2014, tratada no jornal de 16/08/2014”, diz a setença.
A alegação de Leo Cigano do Povo é a existência de várias irregularidades no decorrer da pesquisa, tais como, a falta de registro obrigatório de informações exigidas pela resolução 23.400 do TSE, que determina o registro do preço de mercado da pesquisa, além da identificação dos bairros e municípios pesquisados.
Assessoria
Via: WSCOM

sábado, 16 de agosto de 2014

O PMDB DE ALAGOINHA DESPEDAÇADO?

O cenário partidário em Alagoinha -PB vem sendo marcado nos últimos anos com a decadência do PMDB local. O PMDB no mencionado município é caracterizado pela paixão dos seus eleitores e por ter muitos filiados,no entanto, nas urnas os resultados são negativos e seus candidatos não conseguem êxito.

Alguns pontos interessantes no PMDB alagoinhense, é que seus filiados com mais história no partido estão distantes das decisões da legenda, os  nomes mais novos não respeitam o estatuto do PMDB e votam em candidatos adversários e já outros nomes decadentes na política alagoinhense por suas trajetórias nas eleições anteriores desejam comandar o partido.

Atualmente, é comprovado no próprio município que o importante na política são os nomes que surgem para disputar o pleito,mas é importante no regime democrático respeitar a instituição partidária,e os políticos que se dizem peemedebistas devem votar seguindo a determinação do PMDB estadual.

Quero ressaltar que na direção do PMDB de Alagoinha,alguns membros estão agindo de forma correta com a legenda e seus filiados, então,  merecem respeito por terem mantido uma postura digna e coerente.   



quinta-feira, 14 de agosto de 2014

Marina Silva é tratada como sucessora natural de Eduardo Campos

BRASÍLIA - A ex-ministra Marina Silva é considerada a sucessora natural do ex-governador Eduardo Campos para disputar a Presidência da República pelo PSB por todos os integrantes do partido e da coligação, que conta também com PPS, PHS, PRP, PPL e PSL. 

Embora as principais lideranças desses partidos estejam ainda muito emocionadas com a morte de Campos, provocada pela queda do jatinho que o transportava do Rio de Janeiro para Santos, na quarta-feira pela manhã, a impressão geral é de que Marina, candidata a vice na chapa, não conseguirá resistir à pressão para que assuma o posto de presidenciável da coligação. O PSB tem prazo de dez dias para fazer a substituição. 

Entre os líderes existe ainda a avaliação de que Marina vai se defrontar com uma realidade diferente da que tinha traçado para si: enquanto Eduardo Campos lutava para chegar ao segundo turno da eleição, ela estava mais interessada era na formalização de seu partido, a Rede Sustentabilidade, cujo registro foi negado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em outubro do ano passado, por não ter conseguido as assinaturas necessárias para ser legalizado.

Agora, Marina terá de se preocupar mais com a campanha e menos com a Rede. Especulam-se já nomes para substituir a ex-ministra no posto de vice. Entre o PSB, a percepção é a de que será preciso ter na chapa um nome “orgânico” do partido, um “pessebista de raiz”, de um Estado grande. O deputado Júlio Delgado, presidente do PSB de Minas, nome que era ligado a Eduardo Campos, seria uma opção clássica. Questionado nesta quarta sobre o futuro do PSB, porém, Delgado foi taxativo. “Perdemos o nosso norte. Não existe conversa de partido ainda. Para o PSB, Eduardo é insubstituível”, afirmou o parlamentar.

Fala-se ainda na possibilidade de candidatura a vice da ex-corregedora do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) Eliana Calmon, cujo perfil é marcado pela luta contra a corrupção, hoje candidata a senadora pela Bahia; no deputado Romário Farias, candidato a senador pelo Rio de Janeiro; no deputado Roberto Freire (SP), presidente do PPS, e no economista Eduardo Gianetti da Fonseca.

Este último seria uma espécie de vacina contra as desconfianças do empresariado em relação a Marina, uma repetição do que ocorreu em 2010, quando seu vice foi o empresário Guilherme Leal.

Um dos principais quadros políticos da Rede Sustentabilidade, grupo político de Marina Silva dentro do PSB, o ex-deputado Walter Feldman afirma que Marina proibiu seus correligionários de falarem sobre a eleição até o enterro de Campos. “Ninguém teve ousadia de perguntar isso a ela”, diz. 

Choque. Se confirmar a candidatura à Presidência no lugar de Campos, Marina tenderá a depurar mais a aliança que se formou em torno do ex-governador de Pernambuco. É provável, por exemplo, um choque ideológico com o presidente do PSB de Santa Catarina, deputado Paulo Bornhausen, agora candidato a senador.

Marina posicionou-se contrária à abertura do PSB para setores que ele considera à direita. Para o cientista político Leonardo Barreto, surgiu à frente de Marina Silva “uma janela para o improvável”. 

estadao.com.br (© Grupo Estado - Copyright 1995-2010 - Todos os direitos reservados.)

Servidores do judiciário estadual paralisam atividades sexta-feira

ASSESSORIA DE IMPRENSA DA ASTAJ-PB
13.08.2014
Os servidores do Poder Judiciário da Paraíba irão paralisar as atividades, por duas horas, sexta-feira (15), em todas as comarcas do estado. A decisão foi tomada em da assembleia geral extraordinária convocada pela Associação dos Técnicos, Auxiliares e Analistas Judiciários da Paraíba (Astaj-PB) e pelo Sindicato dos Oficias de Justiça, (Sindojus-PB), no final de junho último, em Campina Grande. Segundo o presidente da Astaj, José Ivonaldo, a paralisação irá ser realizada das 10h às 12h e os serviços dos cartórios judiciais serão interrompidos.
A mobilização será marcada com protesto dos servidores pelo não cumprimento da Lei Estadual Nº 10.195/2013, que garante a movimentação (progressão e promoção) na carreira funcional  dos servidores do judiciário estadual. De igual modo, pela defesa da jornada de trabalho de seis horas para os servidores e por melhores condições de trabalho.
Valorização profissional
Os servidores reclamam por maior valorização funcional e remuneratória. “Se já não bastasse os servidores perceberem baixos salários e serem obrigados a trabalhar em jornada de sete horas sem a devida contrapartida remuneratória, não podem também ser vítimas da subtração de vários direitos consagrados em lei, tais como a movimentação funcional (progressão e promoção), a gratificação de produtividade entre outros”, disse Ivonaldo.
O presidente da Astaj acrescentou ainda que a paralisação do dia 15, aos olhos dos servidores, deve ser considerada como um alerta que bem demonstrará o quanto eles estão indignados e insatisfeitos com a situação que está sendo imposta pela atual direção da Corte Estadual.


Contato : José Ivonaldo Batista
fone - 8620-0999/9389-9000
Pres. ASTAJ-PB

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Aguinaldo Ribeiro anuncia parceria com João Gonçalves em JP

Aguinaldo Ribeiro anuncia parceria com João Gonçalves em JP


O deputado federal e candidato à reeleição Aguinaldo Ribeiro (PP) anunciou uma parceria política com o deputado estadual João Gonçalves (PSD) nestas eleições, em João Pessoa. De acordo como ex-ministro das Cidades, João é um parlamentar de bom trânsito, com relevantes serviços prestados em todas as regiões da Paraíba.

“João é um parlamentar com serviços prestados em toda a Paraíba. Uma pessoa de bem, que ajuda os mais humildes, já foi vereador em João Pessoa e tem desempenhado um grande trabalho na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB)”, pontuou Aguinaldo Ribeiro.

Já João Gonçalves destacou a amizade de vários anos que mantém com Aguinaldo Ribeiro. Ele lembrou o período em que esteve junto com o amigo numa mesma Legislatura da ALPB e referenciou a representatividade do deputado na Câmara Federal, através da liderança do PP, e no período em que esteve no Ministério das Cidades.

“O meu amigo Aguinaldo Ribeiro representa a renovação na política. Ele é um deputado moderno, com projetos e atuação parlamentar reconhecida. É um dos mais influentes do Congresso Nacional”, frisou.

Redação com Assessoria

segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Atraso escolar é problema na PB

Neste domingo (11) a Rede Paraíba de Comunicação inicia uma sequência de reportagens sobre educação. A 1ª aborda distorção idade-série


Fonte: Jornal da Paraíba (PB)

Aos 14 anos, Paulo (nome fictício)*, faz o 6° ano, mas deveria estar no 9°. O adolescente já foi reprovado três vezes e teme que a história se repita novamente no final deste ano, em consequência da dificuldade que tem nas disciplinas de matemática e inglês. Aluno de uma Escola pública de João Pessoa, ele faz parte dos 139 mil estudantes paraibanos que têm distorção idade-série no Ensino fundamental, segundo o levantamento do Qedu, que utiliza os dados do Censo Escolar 2013. Em termos percentuais o número representa 23%. É o mesmo que afirmar que, a cada 100 Alunos matriculados, 23 não estão na série que deveriam.
O problema do atraso Escolar abre a série de reportagens Educação em Pauta , produzida pelo JORNAL DA PARAÍBA e pelos demais veículos da Rede Paraíba de Comunicação. A partir de hoje, a cada edição, será publicada matéria sobre o tema, terminando no próximo domingo. A distorção idade-série é definida pela defasagem de mais de 2 anos entre a idade adequada e o ano que o Aluno está cursando. Está na lista dos principais desafios para melhorar a Educação no país, e também na Paraíba.
Com Paulo, o problema começou cedo. Aos 7 anos, quando estava no 1° ano do Ensino fundamental, foi reprovado pela primeira vez. No ano seguinte, veio a segunda reprovação. “Eu sempre tive dificuldade em aprender, desde que comecei a estudar não consigo entender direito o que a Professora ensina”, contou o estudante. No 4° ano, foi novamente reprovado. Ele admitiu que em casa não reserva tempo para revisar os assuntos na sala de aula e que também não gosta de estudar para as provas. Prefere brincar.
Nas Escolas de João Pessoa, o percentual da distorção idade-série é de 17%, sendo mais evidente entre Alunos do 6° ano (no qual a cada 100 Alunos matriculados, 32 estão atrasados). É o caso de João (nome fictício), que tem 13 anos e cursa o 6° ano em uma Escola pública da capital. Ele contou que já foi reprovado duas vezes (em 2010 e 2012), mas disse não se incomodar com o atraso. “Minha mãe só brigou uma vez, depois não falou mais”, afirmou.
Com Antônio (fictício), 13, a distorção idade-série tem outro motivo. Segundo o Aluno, ele estudava em outra Escola e foi transferido para a atual, que fica no bairro de Mandacaru, em João Pessoa. Contudo, a transferência não se deu de imediato e ele perdeu o ano letivo. “Eu sei que deveria estar mais adiantado, mas infelizmente minha mãe teve que me transferir e eu acabei prejudicado”, disse o garoto, sem revelar o porquê da mudança.
A legislação brasileira determina que a criança deve ingressar no 1º ano do Ensino fundamental aos 6 anos de idade, para que, aos 14, esteja no 9° ano. O Ensino médio deve ser feito dos 15 aos 17 anos, para que não haja distorção idade-série. A Paraíba foi o segundo estado do Nordeste que mais conseguiu reduzir o problema (-29%), porém, ainda precisa avançar muito para corrigir a distorção, que é mais frequente entre os Alunos da rede pública de Ensino (Veja quadro adiante).
* Os nomes foram trocados em obediência ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).

Em Campina Grande, distorção atinge 18% dos alunos
No município de Campina Grande, a distorção idade-série atinge 18% dos alunos matriculados. A maior incidência é entre alunos do 6º ano, no qual o percentual de defasagem chega a 39%, segundo o Censo Escolar 2013. (Veja mais adiante relação das cinco escolas com os maiores percentuais de distorção idade-série). Um dos casos que precisam de atenção é o de Maria (nome fictício), 15, que está cursando o 5° ano do ensino fundamental na Escola Municipal José Virgínio de Lima. Segundo ela, o motivo do atraso foi a entrada tardia na escola, o que só aconteceu quando ela tinha 10 anos.
A estudante disse que tem o sonho de ser médica e por isso passou a se dedicar aos estudos. “Minha mãe não podia me colocar para estudar, por isso comecei tarde e fiquei atrasada. Agora, que tenho a oportunidade, estudo muito, pois meu sonho é ser médica”, disse a adolescente, que tem mais dois irmãos, os quais, segundo ela, estão na idade escolar correta.
Outra estudante campinense, Ana (nome fictício), 12, revelou que repetiu de ano, justificativa para o atraso. Ela está cursando o 5° ano do ensino fundamental. “Repeti o 2° ano e me atrasei.
Hoje em dia sou mais estudiosa porque quero ser enfermeira e sei que para isso tenho que estudar bastante”, comentou.
A diretora da escola onde Maria e Ana estudam, Maria do Carmo Barroso, reconheceu o problema da distorção idade-série e disse que é necessário um melhor apoio por parte da Secretaria de Educação municipal. A escola, localizada no bairro do Monte Santo, tem 110 alunos e 46% deles estão atrasados. “A distorção idade-série, na verdade, é consequência de uma série de fatores”, comentou.
A falta de interesse e acompanhamento dos pais foi outro problema apontado pela diretora para o atraso dos alunos.
“Infelizmente as crianças não têm a atenção que deveriam ter em casa. Os pais colocam os filhos na escola e pensam que a responsabilidade é só nossa. Já tivemos casos de alunos que levaram tarefa para casa e voltaram com os cadernos rasgados, em um claro exemplo de que, junto da família, eles não recebem orientação em relação aos estudos.
Segundo Iolanda Barbosa, secretária de Educação de Campina Grande, as principais ações para reduzir a distorção idade-série na cidade estão organizadas em três eixos: o programa Mais Educação, Projovem Urbano e Educação de Jovens e Adultos (EJA). “No Mais Educação, as escolas fazem a adesão ao programa e com isso recebem uma suplementação orçamentária. Também aderimos ao Pronatec para oferecer educação profissional aos alunos do EJA, fortalecendo as relações entre trabalho e educação, pois a maioria dos casos de evasão se dá devido à necessidade dos adolescentes em ingressar no mercado de trabalho”, explicou.


Programas tentam reverter atraso escolar
Através do programa Alumbrar, o governo do Estado tenta diminuir a distorção idade-série nas escolas públicas, segundo a gerente de Educação Infantil e Ensino Fundamental, Aparecida Uchôa. “O programa foi implantado este ano através de uma parceria do governo entre a Fundação Roberto Marinho e o Ministério da Educação e está voltado a alunos com idades entre 13 e 17 anos”, afirmou. De acordo com a gerente, o programa atende 150 turmas e cerca de 4,5 mil alunos nas 14 regionais de ensino.
O programa é voluntário, ou seja, nenhum aluno é obrigado a participar, mas os que desejarem serão contemplados. “O projeto é feito em cima da cultura local e é monitorado mensalmente pela Fundação Roberto Marinho”, afirmou. O conteúdo da formação consiste em trabalhar com a tecnologia da teleaula utilizada no projeto. Segundo Aparecida, o material produzido é voltado para a juventude. O programa é dividido em módulos, sendo três para o ensino fundamental e quatro para o ensino médio.
Sobre o problema da distorção idade-série, a gerente disse que a legislação permite que o aluno seja aprovado com pelo menos duas dependências. “Temos muitos alunos com dificuldades econômicas e que não têm acesso à leitura nem à tecnologia, e já chegam à escola com dificuldade”, declarou. Mas, segundo Aparecida, ainda não dá para abrir mão das avaliações. “Tudo que fica muito fácil parece sem gosto, podemos ajudar os alunos com o acompanhamento específico”, afirmou.
Na rede municipal de ensino de João Pessoa, a distorção idade-série diminuiu em média 4,1% no ano passado, segundo a Secretaria de Educação, que disse que, entre as capitais nordestinas, João Pessoa foi a que apresentou a terceira maior queda, ficando atrás de Fortaleza e Aracaju. No ensino fundamental I, a queda foi de 6,5% e no fundamental II foi de 2,5%.
De acordo com o secretário, a Prefeitura busca combater o problema através de três programas. O primeiro é o 'Acelerando o Saber', convênio firmado com a Fundação Volkswagen, que visa à qualificação de professores e o apoio às crianças que estão em defasagem. “Esse programa foi instalado no ano passado e já deu resultados positivos, com a redução do índice de distorção idade-série”, afirmou. As outras ferramentas para a correção do problema são o Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa, do governo federal, e a formação continuada que é realizada todos os anos, sempre com ênfase na distorção idade-série.

Reprovação é cultural, afirma especialista
O problema da distorção idade-série atinge todo o país, segundo Ernesto Martins Faria, coordenador de projetos da Fundação Lemann. “Temos uma questão cultural relacionada à reprovação. Nesse contexto, o Ideb ajudou muito, pois passou a ser um estímulo para diminuir as taxas de reprovação”, declarou. Segundo Faria, que critica a reprovação dos estudantes, é preciso desenvolver estratégias para garantir que o aluno se esforce mais e não tenha que repetir o ano. “O que observamos é que o aluno é reprovado e quando repete o ano pela segunda vez, tem tratamento semelhante”, afirmou.
Essa repetência sem 'novidade', de acordo com o especialista, pode facilitar o abandono dos alunos. “Grande parte dos alunos que repetiu de ano não tem aprendizado adequado no futuro”, destacou. Sobre a situação da Paraíba, Faria disse que o Estado está um pouco melhor, mas ainda está negativo em relação ao Nordeste. “Outro ponto que observamos é que a distorção idade-série está ligada a problemas socioeconômicos”, frisou.
O especialista disse que o aluno atrasado representa um desafio para o professor. “É difícil para o professor ter na mesma sala de aula um estudante de 12 e outro de 15 anos”, afirmou. Segundo ele, o mais importante é entender qual o tipo de contexto é mais adequado para aquele aluno. “A depender do atraso, as políticas podem ser diferenciadas”, explicou.
Sobre a distorção idade-série na rede privada de ensino, o especialista disse que, pelo fato dos pais pagarem uma mensalidade, muitas vezes a escola se sente meio insegura em reprovar o aluno, tem isso. “Nas escolas particulares a reprovação é usada como o último recurso, pois a direção teme que o pai tire o filho da instituição”, afirmou Faria. Segundo ele, essa lógica de evitar a reprovação deveria ser levada à rede pública.

Problema é evidente na zona rural
Os municípios do interior da Paraíba também apresentam altos índices de atraso escolar. Nas escolas da zona rural o problema se torna ainda mais evidente. No município de Serra Redonda, por exemplo, o índice de distorção idade-série chega a 38%, percentual considerado alarmante por especialistas em educação. A reportagem tentou contato com a prefeitura do município, mas não conseguiu retorno.
No município de Gado Bravo, a distorção idade-série é de 37%.
Em Mulungu, a 85 quilômetros da capital, o problema atinge 35,7% dos alunos, sendo maior nas escolas da zona rural. O município de Baía da Traição, no Litoral Norte, a cada 100 alunos, 34 estão com defasagem de dois anos ou mais. Outras cidades têm percentuais parecidos: Serraria (34,3%); Rio Tinto (33,3%); Nova Palmeira (31,6%); Camalaú (31,3%); e São José dos Cordeiros (30%).
O presidente da Federação das Associações dos Municípios da Paraíba (Famup), Tota Guedes, disse que, para corrigir o atraso escolar, os municípios devem fazer investimentos continuados na educação, priorizando a formação e capacitação de professores e buscando coibir a evasão escolar. “É necessário também oferecer melhores condições de trabalho aos profissionais, com escolas bem estruturadas e reformadas”, comentou.
Outro ponto apresentado por Guedes como importante no processo de correção da distorção idade-série é oferta de uma merenda de qualidade, tendo em vista que muitos estudantes dos municípios do interior, sobretudo os que estudam em escolas da zona rural, têm dificuldades econômicas em casa.
“Não podemos fingir que há alunos que só vão para a escola interessados na merenda escolar. Então, devemos aproveitar esse gancho para corrigir o atraso escolar”, finalizou.

É NECESSÁRIA A PARTICIPAÇÃO DE RELIGIOSOS NA POLÍTICA PARTIDÁRIA

A participação de religiosos,independente de credo religioso, na política partidária é importante para a sociedade quando estes religiosos defendem os valores que são importantes para o bem da família, para o respeito entre os cidadãos e para melhorias sociais em todas às áreas essências para o desenvolvimento da sociedade.

Como historiador, é fácil comprovar no mundo o importante papel  dos religiosos de diferentes denominações em vários momentos e em épocas distintas na história da sociedade. É importante destacar que alguns foram e são positivos em sua participação política, já outros seguem o caminho contrário. Como em todos segmentos e organizações sociais é comum a presença de bons e maus membros.

Acredito que a defesa de valores através da política partidária é necessária,mas o que é mais importante não é só defender suas crenças religiosas e sim tomar medidas que permitam o respeito mútuo entre os cidadãos brasileiros.

O lugar de religioso não é apenas nas suas Igrejas, mas na luta por melhorias sociais para o nosso povo,por isso, acho importante a participação deles no meio partidário.  

domingo, 10 de agosto de 2014

Ex-prefeito de São Vicente do Seridó e seu grupo político declaram apoio à reeleição de Benjamin

 Ex-prefeito de São Vicente do Seridó e seu grupo político declaram apoio à reeleição de Benjamin


O deputado federal Benjamin Maranhão, do Solidariedade, recebeu nesta quinta-feira (07), o apoio do ex-prefeito do município de São Vicente do Seridó, Damião Zelo (PMDB) e de todo o seu grupo político na cidade, na campanha rumo reeleição para a Câmara dos Deputados.

Segundo Benjamin, a adesão do grupo do ex-gestor peemedebista representa um forte apoio na região do Curimataú e fará a diferença no resultado do pleito.

O parlamentar, que atua em prol das causas trabalhistas, destaca que a aproximação com os agentes púbicos e políticos de cada município é de suma importância, pois facilita na elaboração de propostas e projetos que visem o desenvolvimento e atenda às necessidades de cada localidade.

“É com muita honra que recebemos o apoio de Damião e de todo o seu grupo político, é um apoio forte na região do Curimataú e que com certeza fará a diferença no pleito deste ano. A região terá o deputado Benjamin Maranhão como seu representante no Congresso Nacional, serei o elo entre as lideranças”, falou.

Benjamin disputa o seu terceiro mandato e a cada ano tem um leque de apoios ampliados pelo interior da Paraíba. A atuação parlamentar em prol das diversas categorias, pelo fim do fator previdenciário e a contribuição pelos investimentos em projetos que geram emprego e renda estão entre as bandeiras de luta do deputado, que a cada mandato recebem ainda mais a valorização e o reconhecimento do eleitor.


Assessoria de Imprensa 

ALAGOINHA E INDEFINIÇÃO POLÍTICA

No município de Alagoinha com as definições dos agentes políticos, neste ano, começa apresentar um cenário imprevisível para 2016.

O principal nome da oposição de Alagoinha em 2012 ,o ex-vereador e presidente da Câmara Municipal continuo seguindo o PMDB e vota com o candidato do partido, o Vitalzinho. Provavelmente, é a confirmação  do nome dele, Davi Cassimiro, para o cargo de prefeito pelo PMDB em 2016. Porém , a indefinição é que membros da oposição e até filiado ao PMDB, que iria colocar  o nome para disputar o cargo executivo por este partido, não votam em Vital e declaram apoio ao candidato a governador do PSDB o senador  Cássio Cunha Lima. Então,como ficará a oposição alagoinhense?

No grupo da situação local o nome mais expressivo o da atual prefeita, Alcione Beltrão apoia o atual governador Ricardo Coutinho (PSB) com a maioria dos vereadores da sua base de sustentação no poder legislativo, no entanto, a vereadora Maria Rodrigues( Maria de Zé Roberto- PSDB) e o vereador Luiz Henrique(PSDB) não acompanham a líder da situação,mas seguem o partido, depois de um silêncio demorado sobre quem iriam apoiar e votam em Cássio Cunha Lima(PSDB). Como ficará a situação depois desta divisão?

Os acontecimentos partidários a nível estadual. neste ano, podem terem provocados mudanças nas rotas dos políticos alagoinhenses e sequelas serão comprovadas ou não em 2016. Política e indefinição são sinônimos em Alagoinha-PB. 

sexta-feira, 8 de agosto de 2014

Opinião: Educação especial ou inclusiva?

"Apesar das dificuldades, é possível tornar a Educação Inclusiva", afirma Dolores Affonso


Fonte: Folha de Boa Vista (RR)

Muitos me perguntam sobre a diferença entre Educação especial e inclusiva. A principal diferença que vejo está relacionada à compreensão errônea de que um Aluno com necessidades educacionais especiais (NEEs) é especial. Ser especial é ótimo! Ou pelo menos deveria ser. O que me incomoda é perceber que a denominação “especial”, neste contexto, está mais relacionada à percepção de incapacidade.
De acordo com o dicionário Michaelis, especial é algo notável, excelente, superior! Mas também significa algo “relativo a uma espécie; que se aplica exclusivamente a uma coisa ou categoria particular de coisas”. Neste sentido, fico incomodada, pois se todos os seres humanos são iguais perante a lei e, apesar de suas diferenças, pertencem à espécie humana, não deveria haver uma Educação especial, ou seja, que se aplica exclusivamente aos Alunos com deficiência.

Isso os coloca numa categoria à parte, como se pertencessem a uma espécie distinta. Quando separamos as crianças para uma “Educação exclusiva”, estamos instituindo a exclusão. Por outro lado, não deveria ser preciso falar em Educação inclusiva, mas sim em Educação que, a meu ver, deveria ser de qualidade e para todos.
Vygotsky, na década de 1920, já afirmava que Educadores deveriam trabalhar com as potencialidades e não com as deficiências do Aluno. A deficiência, “ao criar uma formação peculiar de personalidade, reanima novas fontes, muda as direções normais do funcionamento e, de uma forma criativa e orgânica, refaz e forma o psiquismo da pessoa”. Portanto, as deficiências não são “somente um defeito, uma debilidade, são também, em certo sentido, uma fonte de manifestação das capacidades, uma força” (Vygotysky, 1997, p. 48).

Muitos materiais, ferramentas, metodologias e recursos poderiam ser usados para aproveitar essas potencialidades. Saber aproveitar as múltiplas inteligências (GARDNER, 2000), capacidades e habilidades, amenizando o impacto de suas dificuldades e limitações no aprendizado, gera a inclusão através de uma formação mais completa e aprendizagem significativa, tornando o Aluno um indivíduo independente, um cidadão apto a perceber o mundo, conviver em ambientes distintos e contribuir para uma sociedade mais justa.
Neste sentido, destaca-se a importância da diversidade em sala de aula. Aprender a conviver com o diferente é fundamental para o crescimento do indivíduo. Nosso planeta tem mais de 7 bilhões de pessoas e todas são diferentes. Um pássaro, uma flor, uma pessoa, cada ser vivo é único… Não há dois iguais.
Neste contexto, cabe ao Educador, mesmo em situações em que o governo, gestão Escolar, sociedade e até a família estão ausentes, encontrar formas de auxiliar, orientar e incluir tais Alunos. Apesar das dificuldades, é possível tornar a Educação inclusiva!
*Coach, palestrante, consultora, designer instrucional, Professora e idealizadora do Congresso de Acessibilidade
www.congressodeacessibilidade.com